Twitter @SintespeCanal no YoutubeFacebook Sintespe
RSS  
Abrir Anúncio
abrir anúncio
Artigo
O que eu posso fazer contra os retrocessos?
04 AGOSTO 2017

A sequência de porradas na cara do povo não para: uma presidenta eleita por voto popular foi afastada sem cometer crime, um novo governo começa, com a promessa de arrumar a economia, gerar empregos e – o que mais? Acabar com a corrupção, claro.

Pouco mais de um ano depois, o Brasil conta com 14 milhões de desempregados, gasolina mais cara, leis trabalhistas no lixo, o sonho da aposentadoria ameaçado, aumento da fome, corte em programas sociais, em saúde, educação e cultura. E sobre a corrupção: precisa falar? Cada dia um escândalo novo, cada dia mais um poderoso do Congresso envolvido em denúncias de cifras milionárias, e cada dia mais sensação de impunidade.

Diante disso tudo, o que fazer? É muito comum ouvir ou essa pergunta ou uma reclamação de que “o povo está muito parado” ou que “a esquerda não sabe dar respostas ágeis”. Aliás, esse tipo de comentário é antigo, e se relaciona com outro, bem conhecido: “o povo brasileiro é  muito pacífico”. Será que é?

Ao longo de toda a história do Brasil, organizaram-se centenas, milhares de focos de resistência. Os indígenas, os negros, as mulheres, os operários, trabalhadores de rua, os e as LGBTs, e tantos outros seguem em luta histórica por seus direitos. É preciso conhecer melhor nossa história para derrubarmos de vez o mito da passividade do brasileiro.

A luta compensa 

Outro mito que é preciso derrubar: “não adianta fazer luta, nada muda mesmo”. Além de extremamente desmobilizadora, essa ideia não corresponde à realidade. Exemplos do contrário não faltam. Quem já participou de uma greve, de uma mobilização na escola, de uma ocupação, sabe que apenas em coletivo é possível pressionar quem tem o poder para conseguir sua reivindicação. E se não fossem as lutas, não teríamos metade dos direitos que temos hoje e sim muito mais medo de denunciar as opressões. 

Assim, em um momento tão tenso de ofensiva contra os direitos conquistados, não podemos esperar que alguém faça a resistência por nós. Vale tudo: parar a produção, piquete, greve, protesto, panfleto, debate. Mas o principal é sempre chamar mais um. É nos unirmos aos outros. Participarmos de mobilizações coletivas. Filiarmo-nos aos sindicatos. Fortalecermos as ferramentas de luta que existem. Se elas estiverem mal das pernas, é preciso ajudar a reconstruí-las. Construir novas. Aproveitar o descontentamento e a indignação das pessoas e discutir as origens e consequências do que acontece. Pensar saídas, como poderia ser. 

É  preciso resistir, cotidiana e coletivamente, ao desmonte de um país pelo qual todos somos responsáveis. 

Edição: Joana Tavares

Fonte: Brasil de Fato




Mais Notícias em Artigo:


jurídico

SINTESPE ajuizará ação para garantir cumprimento da data-base
Servidores do Imetro/SC aguardam decisões processuais
Processos judiciais beneficiam 4 mil

Boletim Eletrônico
Digite seu e-mail para receber nossos informativos
Mensagens SMS
Informe seu número de celular com DDD

Imposto Sindical - RESTITUIÇÃO 2016
Álbum de Fotos

LEI DA MÍDIA DEMOCRÁTICA
Campanha de Filiação
Blog Campanha em Defesa do SINTESPE
Somos contra o Imposto Sindical
Campanha Nacional
sobe
 

Sindicato dos Trabalhadores do Serviço Público Estadual de SC

Praça Olívio Amorim, 82 - Centro - Florianópolis - SC / CEP 88020-090
Fone / Fax: (48) 3223 6097
tecnologia designed by: tecnologia